article

Dermatofitose: O que é, causas, sintomas e tratamentos

dermatofitose

Você sabe o que é Dermatofitose? Já ouviu falar? Tenha uma atenção especial para pele, cabelos e unhas...Existem fungos que se alimentam da queratina presente nessas regiões, responsáveis por essa infecção conhecida como dermatofitose.

Nesse artigo tem mais detalhes para que você possa entender melhor como isso pode ocorrer, os sintomas e como cuidar.


O que é dermatofitose

A dermatofitose é um tipo de micose superficial causada por um grupo de fungos conhecidos como dermatófitos. Esses fungos têm a habilidade de degradar a queratina e transformá-la em material nutritivo para seu crescimento. De acordo com o gênero podem acometer pele, pêlos e unhas. 

São classificados em três gêneros: o Microsporum sp, que acomete pele e pêlos, o Trichophyton sp, que acomete pele, pêlos e unhas e o Epidermophyton sp, que infecta a pele e pode eventualmente acometer as unhas. 

Os dermatófitos podem ser transmitidos pelo contato direto de uma pessoa para a outra, ou de um animal para uma pessoa, ou vice-versa, ou ainda do ambiente para um animal ou pessoa. 


Sintomas da dermatofitose

dermatofitose

Os sintomas são dependentes da área afetada. Uma das características da dermatofitose é o aparecimento de lesões arredondadas, com as bordas avermelhadas e o centro com descamação e que apresentam muita coceira, podendo evoluir para erupções na pele. 

Essas lesões podem aparecer nos braços, pernas, virilha, axilas e couro cabeludo ou barba.Também pode apresentar lesões nos pés, podendo surgir bolhas entre os dedos. Quando a manifestação ocorre na região das unhas elas se tornam amareladas, quebradiças e irregulares.


Tipos de dermatofitose

dermatofitose fotos

As dermatofitoses são conhecidas como tineas ou tinhas e a classificação é dada de acordo com a região acometida, veja em mais detalhes esses tipos de dermatofitose:


Dermatofitose Tinea corporis

Acomete regiões de pele glabra (sem pelo), como braços, pernas, tronco e nádegas. É caracterizada pelas manchas circulares de borda vermelha elevada e descamação central e coceira.


Dermatofitose Tinea capitis

Acomete a região do couro cabeludo, onde observa-se a formação de placas descamativas no couro cabeludo e perda de cabelo. 


Dermatofitose Tinea barbae

Ocorre na região da barba e apresenta lesões semelhantes a tinea capitis, com a presença de placas circulares podendo ocorrer uma infecção mais profunda e produção de pus. O resultado é a perda de pelos, inchaço e cicatrizes.


Dermatofitose Tinea cruris

A tinea cruris, conhecida também como coceira de jóquei, acomete a região da virilha e pubiana, podendo atingir toda região genital e parte interna das coxas. As lesões apresentam coloração rosa/vermelha, coçam muito podendo levar a formação de bolhas.


Dermatofitose Tinea pedis

Também conhecida como pé de atleta ou intertrigo ou ainda frieira. Afeta a região de dobras entre os dedos, podendo estar associada a micose de unhas (onicomicose). 

Sua ocorrência se deve a produção excessiva de suor entre os dedos dos pés associada a temperatura que favorece a proliferação fúngica. Observa-se vermelhidão, descamação e coceira no local.


Dermatofitose Tinea Unguium

dermatofitose

 A tinea unguium ou onicomicose é uma micose que acomete as unhas e se caracteriza por lesões destrutivas e esfareladas de cor branco-amarela. Geralmente é necessário haver uma porta de entrada (lesão) entre a pele e a unha para que o fungo consiga penetrar por baixo da unha e se alojar. 


Diagnóstico da dermatofitose

O diagnóstico é feito através da avaliação visual das lesões associado a exames laboratoriais. Estes incluem o micológico direto, onde são coletados fragmentos das lesões em busca do fungo e cultivo fúngico, onde as amostras coletadas são cultivadas em meio de cultura a fim de identificar o fungo causador.


Como tratar a dermatofitose

O tratamento pode ser tópico ou sistêmico. No caso do tratamento tópico podem ser empregados cremes, pomadas, spray ou loções a base de tintura de iodo, ácido salicílico, ou antifúngicos, como cetoconazol, isoconazol, miconazol, tolciclato, clotrimazol, bifonazol, ciclopiroxolamina, terbinafina. 

O tratamento sistêmico é feito com derivados azólicos, cetoconazol, itraconazol e fluconazol e terbinafina e griseofulvina. Corticóides podem ser indicados para o alívio da coceira e inflamação.

É importante considerar que o tratamento é longo, podendo chegar a 90 dias, e por conta disso pode ocorrer fracasso na terapia. Além de respeitar o período e forma de aplicação do tratamento, deve-se levar em consideração problemas na absorção da medicação oral, re-exposição ao agente causador e resistência antimicrobiana.


Como se prevenir a dermatofitose

dermatofitose

A prevenção da doença inclui cuidados com a higiene e atenção com banheiros públicos, balneários, piscinas públicas, academias e saúde dos animais de companhia.

Durante o verão evite ficar com roupas úmidas por tempo prolongado. O cuidado com as unhas inclui escolha de material limpo e estéril em salões de beleza, além disso, não esqueça de descontaminar calçados e meias para evitar recidivas ou reinfecção.

Cuidados com a pele, cabelos e unhas são essenciais para garantir a saúde do nosso corpo. Opte por produtos naturais que não agridam a sua pele e que ajudam a preservar o planeta. Já ouviu falar do Programa Adeus desodorantes da Visto.bio? Além de proteger contra o mau cheiro das axilas, economiza nas lavagens e aumenta a vida útil das roupas.

Conteúdos mais buscados



Teste a sua sorte e ganhe descontos na visto.bio!

Descubra se o visto.bio é um bom negócio pra você

Whatsapp